terça-feira, 8 de julho de 2014

Céu

Céu - Live Deezer Session

http://youtu.be/4qum4iJXWn0

Com somente a cantora acompanhada por duas guitarras, a delicada sessão foi gravada em São Paulo, incluindo faixas de início da carreira, assim como mais recentes - e até uma versão exclusiva para o samba "Preconceito", de Wilson Batista e Marino Pinto.  Céu tem uma voz que é, realmente, um pedacinho do Paraíso. 
Falta de Ar
Isso me dá falta de ar
Não tem nada a ver com você
A má qualidade do ar me faz compreender
Esse papo que gira aí
Que o mundo tem que crescer
Crescer até tocar a lua
Em marte eu vou descer
Mesmo que eu tenha criado
Um traje especial
Que me permita viagens
Em modo espacial
Ainda não voo
Foguete é osso
Pro ser humano
Viver é pouco

domingo, 2 de fevereiro de 2014

Ypê

"Contemplo o rio, que corre parado

 e a dançarina de pedra que evolui,

 completamente sem metas, sentado,

 não tenho sido, eu sou, não serei, nem fui.

 A mente quer ser, mas querendo erra;

 pois só sem desejos é que se vive o agora.

 vêde o pé do Ypê, apenasmente flora,

 revolucionariamente

 apenso ao pé da serra."

Ypê - Belchior
http://grooveshark.com/#!/s/Yp/3rNus4?src=5
Objeto Direto (1980)
* imagem Wikipedia

terça-feira, 27 de agosto de 2013

A relação médico-paciente já foi considerada especial, quase sagrada

...
O economista Paul Krugman, a quem os nossos ‘bushs’ não podem acusar de ‘petismo’, escreveu, a propósito da visão conservadora sobre saúde pública, algumas linhas que caem como uma luva no debate brasileiro sobre o ‘Mais Médicos’. Pergunta: quem, na indigência do nosso colunismo, seria capaz de articular um raciocínio não previsível e nuançado, como esse?

(...) “A relação médico-paciente já foi considerada especial, quase sagrada. Agora, políticos e supostos reformistas tratam o atendimento médico como se ele fosse uma transação comercial igual à compra de um carro (...) A medicina, afinal de contas, é uma área em que decisões cruciais – decisões de vida ou morte – devem ser tomadas. Para que esse arbítrio ocorra de maneira inteligente, requer-se um vasto conhecimento técnico dos profissionais do setor. Como se isso não bastasse, as escolhas dos médicos são frequentemente feitas enquanto o paciente está incapacitado, sob muito estresse ou quando a ação precisa ser imediata, sem tempo para discussões, muito menos para a pesquisa de preços.(...) É por isso que existe a ética médica. É por isso que os médicos são tradicionalmente vistos como uma categoria especial, da qual se espera um comportamento de padrão mais elevado do que a média dos demais trabalhadores. Há um motivo sobre por que assistimos a séries televisivas que retratam médicos – e não gerentes administrativos – como heróis. Sugerir que essa realidade possa ser reduzida a um simples comércio – que os médicos sejam meros “fornecedores” vendendo serviços a “consumidores” de saúde – é, com o perdão do trocadilho, uma ideia doentia. O fato de essa noção equivocada ter se tornado dominante é sinal de que há algo de muito errado não apenas nessa discussão, mas também nos valores da sociedade ... “ (Paul Krugman; NYT 22/04/2011)
...

fonte: http://www.cartamaior.com.br/templates/postMostrar.cfm?blog_id=6&post_id=1306